segunda-feira, 28 de março de 2011

Creso e a sabedoria para sempre



Creso, o poderoso e riquíssimo rei da Lídia, jamais esquecia de agradar os deuses e lhes dedicava templos esplendorosos, mas não se descuidava das artes e da ciência. Por isso, convidava para sua corte os grandes mestres da época e os recompensava generosamente pelos ensinamentos que ministravam. Foi assim que conheceu Sólon, um dos sete sábios daquela época.

Na corte, Sólon foi convidado a visitar todas as dependência do palácio para que pudesse avaliar a riqueza de Creso. Depois daquela visita, Solon foi levado à presença de Creso que o aguardava em seu trono de ouro, coberto por um manto cravejado de pedras preciosas.


- Então, Sólon, conheces alguém mais feliz do que eu? - perguntou o rei.
- Sim!, respondeu o filósofo surpeendendo o monarca. Existe um tal de Télus, um ateniense do povo, que era um homem de bem, assim como seus filhos, que todos nós respeitávamos. Era um cidadão exemplar que morreu com a espada nas mãos, defendendo Atenas contra os invasores.

Sentindo-se diminuído com a resposta, Creso insistiu:
- E eu, tu não me achas feliz?
Sólon sacudiu a cabeça:

- Hoje, talvez; amanhã, quem vai saber. A vida traz muitas surpresas: é preciso aguardar a última cena.

Considerando-o um grosseirão, Creso o dispensou.
Anos depois, levado pelo orgulho, Creso declarou guerra aos persas do grande conquistador Ciro, mas foi derrotado e feito prisioneiro. Os persas levantaram uma grande pira, amarraram Creso sobre ela e puseram fogo na madeira seca. Ali, esperando o destino fatal sob as chamas, Creso lembrou das palavras de Sólon. Com um suspiro, Creso olhou para o céu e exclamou queixosamente, o nome de Sólon por três vezes.

Curioso, Ciro mandou seus intérpretes perguntarem a Creso que deus era aquele que ninguém conhecia. Quando soube que era um dos sete sábios, mais intrigado ficou.

- Espera que ele venha salvá-lo? perguntou Ciro.
- Não, disse Creso; é que finalmente entendi a lição que ele me deu; e contou seu encontro com Sólon anos atrás.

Comovido, Ciro mandou que retirassem Creso da pira. Tinha enxergado a si próprio naquele homem derrotado, esfarrapado, enegrecido pela fumaça, que tinha sido um rei poderoso como ele. E tomou Creso por conselheiro, para que nunca viesse a esquecer que a felicidade é fugaz, mas a sabedoria é para sempre...

2 comentários:

  1. Tudo é fugaz, como disse também Schopenhauer, Buda antes; Afinal ninguém é dono de verdades.Meu nome é Creso e quando vi desenho do Templo a Artemis cocei a cabeça. Te convido a acessar meu blog escrevendo cresistico no Google, onde disponibilizei um livro intitulado Encontro com o Minotauro. Axé - creso

    ResponderExcluir
  2. Tudo é fugaz, como disse também Schopenhauer, Buda antes; Afinal ninguém é dono de verdades.Meu nome é Creso e quando vi desenho do Templo a Artemis cocei a cabeça. Te convido a acessar meu blog escrevendo cresistico no Google, onde disponibilizei um livro intitulado Encontro com o Minotauro. Axé - creso

    ResponderExcluir

Agradeço os seus comentários, críticas e sugestões

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares