terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Cíclopes



Os ciclopes, que significam "olho redondo", eram gigantes imortais, alguns com um só olho no meio da testa. Eles aparecem em vários mitos da Grécia, porém com uma origem bastante controversa. Os ciclopes eram divididos em dois grupos de acordo com o tempo de existência: os ciclopes antigos ou da primeira geração e os ciclopes jovens - a nova geração. De acordo com sua origem, esses seres eram organizados em três diferentes espécies:
  • os contrutores que provêm do território da Lícia,
  • os urânios, filhos de Urano e Gaia,
  • os sicilianos filhos do deus dos mares Posídon.
Nova geração de Cíclopes

Os Cíclopes mais jovens ou da nova geração eram gigantes e tinham apenas um olho na testa. Porém, diferentemente das raças anteriores, eram pastores e viviam em uma ilha chamada Hypereia, conhecida entre os romanos como a Sicília. Diz-se que essa nova raça de ciclopes nasceu do sangue do deus Urano que espirrou sobre a Terra.

A terceira raça de Cíclopes eram denominados construtores, provenientes do território da Lícia. Esses posuíam grande poder físico e não eram violentos. A eles eram dados trabalhos muito pesados que nenhum humano conseguiria realizá-lo tão facilmente. Talvez tenha sido esses ciclopes que construiram as muralhas de Tirinto e Micenas.

Os Urânios

Os urânios, Arges, Brontes e Estéropes são considerados os ciclopes mais antigos descendentes de Urano e Gaia. Diz a lenda que, ao nascerem com enormes poderes, seu pai Urano, senhor dos céus, trancou-os no interior da Terra com seus irmãos os hecatônquiros, os gigantes de cinquenta cabeças e cem braços. Indignada por ter os filhos presos no Tártaro, Gaia os convenceu a apoiar a guerra travada pelos titãs. Filhos de Urano, os Titãs pretendiam tomar o trono do pai que governava os céus.

Os titãs venceram, porém os ciclopes foram enviados novamente para o abismo do Tártaro. Algumas vezes, os titãs Zeus, Posídon e Hades, libertava os ciclopes com a intenção de tê-los como aliados na guerra contra Cronos e os titãs. Os ciclopes, como bons ferreiros, forjavam armas mágicas e poderosas: Zeus recebeu raios e relâmpagos, Posídon recebeu um tridente capaz de provocar terríveis tempestades e Hades um capacete da invisibilidade.

Tempos depois, quando os ciclopes já eram considerados ministros e ferreiros permanentes de Zeus, o grande deus percebeu uma ameaça no médico Asclépio, filho do deus Apolo, que conseguia fazer ressuscitar os mortos. Para que isso não causasse qualquer impacto com a ordem do mundo, Zeus decidiu exterminá-lo. Ofendido com a ira de Zeus sobre seu filho Asclépio, Apolo decidiu matar os ciclopes que fabricavam os raios de Zeus. Há outras versões sobre o desaparecimento dos cíclopes.

Os sicilianos

Os sicilianos são retratados nos poemas homéricos como gigantescos e insolentes pastores fora da lei, que habitavam a parte sudoeste da Sicília. Não se importavam muito com a agricultura e todos os pomares cultivados eram invadidos por eles quando procuravam por comida. Algumas vezes se alimentavam de carne humana, por isso eram considerados como seres sem lei e sem moral. Morando em cavernas, cada um vivia com sua esposa e filhos que eram disciplinados de forma muito arbitrária.

Segundo Virgílio e Eurípedes, os cíclopes eram assistentes de Hefesto e trabalhavam com ele dentro dos vulcões no Monte Etna na Sicília, como também em outras ilhas próximas. Sendo ferreiros, eles trabalhavam para os deuses e heróis, forjando suas armas. O poder dos ciclopes era tão grande, que a Sicília e outros locais mais próximos conseguiam ouvir o som de suas marteladas enquanto trabalhavam na forja. Devido ao aumento da população de cíclopes, sua moradia teria sido remanejada para a parte sudeste da Sicília.

Foi exatamente um desses ciclopes, que Ulisses encontrou quando de sua viagem de regresso a seu lar em Ítaca. Quando Ulisses e seus homens desembarcam na terra dos Ciclopes no caminho de Troia até Ítaca, eles buscaram abrigo numa gruta. Polifemo que era antropófago, filho de Posídon e da ninfa Teosa, morava nessa gruta e não foi amistoso. Logo Polifemo devorou um dos homens. Arquitetando um plano, quando o gigante perguntou seu nome, Ulisses disse que se chamava Ninguém.

Ulisses ofereceu vinho a Polifemo embebedando-o. Enquanto Polifemo dormia, Ulisses furou seu olho e escapou com seus amigos embaixo de peles de animais. Urrando de dor, Polifemo foi socorrido por outros cíclopes mas só conseguia gritar que “Ninguém queria matá-lo”. Por ser filho de Posídon, o deus dos mares, Ulisses foi perseguido por um longo tempo retardando seu retorno para sua casa.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço os seus comentários, críticas e sugestões

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares