quarta-feira, 4 de maio de 2011

A maldição de Arsínoe



Arsínoe era filha do Rei Fegeo de Psófide. Certo dia chegou ao reino Alcmeón, buscando proteção contra as Erínias que o perseguiam por ter matado a própria mãe. Arsínoe apaixonou-se por Alcmeón e o rei consentiu no casamento. No entanto, as erinias continuavam a perturbar Alcmeón e aconselhado pelo oráculo de Delfos, ele partiu para as terras junto ao Rio Aqueloo prometendo a Arsínoe que voltaria.

Quando Alcmeón chegou ao Reino de Aqueloo, tornou-se amante e casou-se novamente com Calírroe, a filha de Aqueloo, e teve com ela dois filhos.
Passado algum tempo, Calírroe pediu a seu marido o colar e a túnica que tinham sido de sua mãe, mas Alcmeón já tinha presenteado a Arsíone. Alcmeón voltou ao Reino de Psófide e convenceu à ingênua Arsíone de lhe dar o colar e a túnica, dizendo que deveria entregá-los ao oráculo de Delfos para se livrar das Erinias. Confiando nas palavras do marido, sem saber que ele havia se casado novamente, Arsíone atendeu ao pedido sempre acreditando que ele voltaria para ela.

O pai de Arsínoe era astuto e descobrindo os feitos de Alcmeón, ordenou que ele fosse morto antes de sair do palácio. Quando
Arsíone estava a despedir do seu marido pela janela, presenciou o assassinato de Alcmeón. Por não saber que seus dois irmãos estavam cumprindo ordens do seu pai e que pretendiam protegê-la, Arsíone amaldiçoou seu pai e seus irmãos profetizando que eles morreriam violentamente antes da lua nova seguinte. Em vista da maldição, seu pai a encerrou numa arca e a presenteou como escrava ao Rei de Nemea.

Ao saber da morte de Alcmeón, Calirroe, a segunda esposa, solicitou a Zeus que fizesse que seus filhos pequenos se
tornassem adultos e guerreiros, assim poderiam vingar a morte do pai. Os filhos de Calirroe cresceram imediatamente e quando passavam pelo reino de Nemea, coincidentemente se envolveram num conflito com um homem e seus dois filhos, e os mataram. Sem saber, eles haviam matado o pai e os irmãos de Arsínoe, que tinham estavam indo a Nemea para implorar a Arsíone para retirar a maldição.

************************

O mito de Arsíone trata da vingança. Quando algo perturbador acontece, gera sofrimento à pessoa e sua imaturidade psicológica que se sente ameaçada, mesmo raciocinando conscientemente, não consegue se desvincular das manifestações desconhecidas armazenadas em seu inconsciente que lhe exige reparação, desforra e até mesmo a aniquilação do seu opositor.

Neste instante, inicia-se uma acirrada disputa entre o seu lado racional, procurando
resistir a esse tipo de atitude por identificar como uma falha do caráter e o seu lado irracional que ativa sua desconhecida bagagem sombria de manifestações inesperadas e inconsequentes, armando verdadeiras ciladas e fazendo a pessoa a agir por vingança com consequências funestas.

Esses impulsos doentios emergem de áreas desconhecidas do ego que não conseguem identificação com o ser espiritual
e termina por induzí-lo ao desenvolvimento perseverante da odiosidade, instaurando o sentimento de revolta e o desconforto ante o opositor onde vê o perigo e ameaça à sua segurança, por isso se empenha-se em destruí-lo.

O fenômeno ocorre tanto entre pessoas quanto entre nações, dando ensejo a guerras nefastas e hediondas que
prejudicam gerações, deixando sequelas lastimáveis em suas vítimas. Nas pessoas, esse comportamento provoca o perverso mecanismo conflitivo que o leva ao desespero. Mesmo quando o outro já não mais representa perigo algum, mesmo depois de se render ou ser aniquilado, os efeitos desastrosos da vingança não desaparecem, frustrando a quem aparentemente estaria vitorioso.

Invariavelmente isso acontece com uma pessoa neurótica, que age quase sempre pela repressão sexual infantil ou
dominado pela sede do poder e ambição, vivendo a competir com os demais por invejar aqueles que estão em situação psicológica melhor que ele. Podem em certos casos até aceitá-los enquanto os manipulam, tirando dessa forma proveito da situação.

A vingança é um transtorno neurótico que liberta do inconsciente as forças desordenadas que estão
adormecidas, irrompendo com ferocidade sob o estímulo do aniquilamento do inimigo. Ao armar-se de calúnia e de outros mecanismos de perseguição contra aquele a quem odeia, está realizando uma luta inconsciente contra si mesmo, pois está apenas projetando o lado escuro e sombrio da sua personalidade que o mantém preso à ignorância. Fixa-se no adversário com implacável disposição para conseguir exterminá-lo, julgando que disso depende sua liberdade.

Além da inferioridade moral que tipifica o vingador, o seu primarismo emocional elabora razões que são arquitetadas pela mente em desalinho para justificar o prosseguimento do seu intento, razões essas nascidas no inconsciente pessoal profundo. Em outras oportunidades em que sua inferioridade se projeta e não se sente devidamente capaz de competir contra valores significativos que não possui, cultiva internamente a antipatia que se avoluma a cada dia, transformando-se em fúria incontrolável que somente se aplaca quando está lutando contra aquele que o atormenta, mesmo que o outro não saiba e nem tenha nada contra ele, podendo até mesmo nem saber da situação infeliz de seu oculto adversário.

Os que se apóiam em mecanismos vingativos quase sempre tem uma história de repressão infantil e juvenil. Sentiram-se
desprezados pelo grupo social e agora transferem suas frustrações para os outros, desde que isto lhes transformem em pessoas de poder e ambiciosos dirigentes de qualquer coisa. A personalidade doentia deseja ser homenageada, embora sua conduta seja esquizóide, falsamente humilde ou pretenciosamente dominadora.

E, mesmo que tenha oportunidade
de se harmonizar com o inimigo, não o perdoa interiormente e continua ruminando o que considera sua derrota, até encontrar novos argumentos para dar prosseguimento ao intento de vingança, impelido pela sua libido atormentada. Os indivíduos que assim procedem, levados pelo sentimento desequilibrado e doentio da vingança, estarão sempre sujeitos a convulsões epilépticas ou mesmo a simples ausências, tornando-se personalidades psicopatas, perigosas e traiçoeiras.

Simulando sentimentos íntimos, se apoiam em planos macabros pela psique ambivalente,
doentia e com predomínio da faceta mórbida. Todo aquele nessa situação precisa de investigação sobre os traumas e conflitos da infância, o que pode alterar sua conduta pessoal com base em novos valores, muitas vezes dependendo de ajuda psiquiátrica para remover extratos epilépticos ou esquizofrênicos.

Socialmente, dispomos dos mecanismos judiciais que visam reparar injustiças, danos morais e materiais, o que não
justifica sentimentos de vingança, deixando a cargo de Nêmesis. Espiritualmente o amor lhes seria de grande valia, embora reajam inicialmente com desconfiança e ambivalência de conduta, traz simpatia e amizade, substituindo os muitos tormentos que o avassalam. Só o amor cobre a multidão de pecados. Diz o evangelho: Sem caridade não há salvação! Caridade é não ceder ao impulso da vingança, senão para perdoar...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço os seus comentários, críticas e sugestões

Related Posts with Thumbnails

Quem sou

Nascida em Belo Horizonte, apaixonada pela vida urbana, sou fascinada pelo meu tempo e pelo passado histórico, dois contrastes que exploro para entender o futuro. Tranquila com a vida e insatisfeita com as convenções, procuro conhecer gente e culturas, para trazer de uma viagem, além de fotos e recordações, o que aprendo durante a caminhada. E o que mais engradece um caminhante é saber que ao compartilhar seu conhecimento, possa tornar o mundo melhor.

Seguidores

Minha lista de blogs

Postagens populares